Passado um ano de pandemia, tudo indica que a tendência do trabalho remoto veio para ficar.

A pandemia de coronavírus transformou a nossa relação com o trabalho. Passamos a viver uma transformação digital acelerada e o futuro chegou antes do imaginado, com a adoção de regimes de trabalho remotos ou híbridos por grande parte das empresas. Essa nova forma de atuação é baseada na autonomia, no propósito e na confiança compartilhada entre os colaboradores. Ao invés de focar em horas de trabalho, os objetivos estão em alcançar resultados de qualidade.

Mais do que implicar apenas no endereço em que as demandas são cumpridas, o trabalho remoto proporcionou mudanças no comportamento dos profissionais e na cultura das organizações. Após um ano de pandemia, muitas empresas adotaram essa nova forma de trabalhar de maneira permanente e vários profissionais não se imaginam mais trabalhando de outra forma. E essa mudança de paradigma só foi possível por causa da transformação digital que estamos vivendo.

Uma pesquisa realizada pela empresa brasileira Global Line e pela norte-americana ERC com profissionais de multinacionais que atuam no Brasil, mostrou que 91% dos trabalhadores têm sentido esse novo regime de trabalho “muito parecido com o normal”, “muito fácil”, ou “fácil”. O trabalho remoto tem gerado sentimentos positivos, como se sentir produtivo (52%) e protegido (47%), mas as pessoas também se sentem cansadas (45%) e solitárias (17%). E para você, como está o trabalho remoto?

Na nossa órbita

A startup BeerOrCoffee, maior plataforma de coworking do país, é especialista em trabalho remoto e opera com toda a equipe à distância — os 51 funcionários estão espalhados em mais de 5 países. Para aumentar a interação entre o time, a startup viu no Carnaval uma possibilidade de aproximar, mesmo que virtualmente, seus colaboradores.

via GIPHY

Nas duas últimas sextas-feiras (12/02 e 19/02), o Happy Hour fixo na agenda semanal do BeerOrCoffee foi temático: foram realizados talks, compartilhamento de experiências e vivências criativas sobre Carnaval, com participações como Fernando Rosa, produtor da cantora Cláudia Leitte, Léo Dias, produtor do Carnabelô e Axé Brasil, e Jorginho Sancof, ex-integrante da Banda Eva.

Os colaboradores da startup também compartilharam suas experiências, como a Cristina Aun, que hoje mora e trabalha em Lisboa, Portugal, mas quando morava em Belo Horizonte tocou na bateria de bloquinhos da cidade, como o Então Brilha, Queixinho e Chama o Síndico.

A ação extrapolou a semana do Carnaval, com desafios na plataforma de comunicação do time. Para o aquecimento dos dias temáticos, os colaboradores tentaram descobrir quem são os protagonistas de diferentes histórias pitorescas anônimas e criaram uma playlist carnavalesca da empresa. No último ano, o BeerOrCoffee promoveu várias outras ações que incentivam a interação entre as pessoas e diminuem a distância durante o trabalho remoto.

No Órbi

Aqui no Órbi, após alguns meses de trabalho completamente remotos, estamos atuando de forma mista: alguns colaboradores presenciais, outros continuam à distância e alguns estão híbridos.

“Estar conectado e sintonizado além do espaço físico tem tudo a ver com o Órbi”, afirma a Head de Comunicação do Órbi, Sophia Lapertosa. “O modelo de trabalho remoto ganha ainda mais força e sentido quando percebemos nele um potencial de colaboração e traços da economia compartilhada. A sensação é que estamos experimentando uma possibilidade de futuro. O uso das ferramentas é muito importante para que a informação esteja sempre registrada e disponível para todos, porque sintoniza toda a equipe no mesmo fluxo.”

“Usamos o Slack e o Trello como ferramentas de suporte, mas além da adaptação desses recursos, o que aconteceu foi uma mudança cultural da equipe. É super notável as mudanças estruturais que vivemos. Nos orgulhamos ao olhar para a maturidade que atingimos em quesito de organização e produtividade”, completa a Analista de Produtos, Acsa Vitório.

Nossas comemorações também não passaram em branco

Nossas comemorações também não passaram em branco

Por aqui, para manter a cultura humanizada e o engajamento dos colaboradores, nós temos usado e abusado da criatividade! Promovemos alguns jantares temáticos síncronos e até um web amigo oculto!

Sugestões para melhorar o home office

Apesar da boa adaptação dos profissionais para essa nova forma de trabalho, os obstáculos ainda existem. A pesquisa da Global Line e ERC apresentou também as sugestões de melhorias citadas pelos profissionais entrevistados para sanar os problemas do regime remoto. Os apontamentos incluem:

  • Comunicação efetiva (74%)
  • Maior foco em uma cultura humanizada e colaborativa (70%)
  • Manter o engajamento dos trabalhadores (65%)
  • Receber/acolher os novos colaboradores (53%)
  • Repensar práticas organizacionais (52%)
  • Investir em ferramentas e treinamentos para o desenvolvimento humano (49%)

Para a gerente de eventos do BeerOrCoffee, Tássia Junqueira, as ações de interação ajudam a melhorar o clima da empresa e aproximar os colaboradores mesmo à distância:

“Pequenas ações resultam em conexões mais próximas e fortes, que por sua vez provocam impactos positivos na rotina dos colaboradores. O segredo é aproveitar os talentos e recursos que temos dentro da própria equipe para valorizar, engajar e conectar com o restante do time, permitindo que se conheçam melhor e tenham trocas construtivas mesmo à distância. Além de usar de uma abordagem mais descontraída e divertida, tornando as interações mais sinceras e dando real abertura para que elas aconteçam.”

Que tal se inspirar nas ações da Rede Órbi para melhorar a interação entre seus colaboradores? E na sua empresa, como está sendo o trabalho e quais são as mudanças que devem continuar após a pandemia? Conta pra gente!

× Olá!