Durante o Round Table Conecta, recebemos a especialista Janaina Primon para apresentar o beabá do Scrum

Você conhece o Scrum? Dentro do escopo das metodologias ágeis, o Scrum é um framework criado para desenvolver produtos em equipes pequenas e multidisciplinares. A técnica é muito aplicada para desenvolvimento de softwares, por ser um framework focado em lidar com problemas complexos em ambientes complexos através de processos adaptativos.

Por ser um método focado na transparência, multidisciplinaridade e organização para entregas constantes de resultados, o Scrum é um método que se adequa bem às necessidades das empresas digitais. Para apresentar esse tema à Rede Órbi durante o Round Table Conecta, nós convidamos a líder de transformação digital na VLI Logística, Janaina Primon. Janaina é cientista da computação e possui experiência em Metodologias Ágeis, Lean IT e Kanban.

“Um dos grandes benefícios do Scrum são as entregas interativas e incrementais. Ao invés de passar um longo tempo construindo um produto e entregar para o usuário no final, correndo o risco das necessidades já não serem as mesmas, com o Scrum você faz várias entregas incrementais ao longo do processo e garante adaptações à medida que as necessidades vão surgindo”, explica Janaina.

Para entender melhor esse framework, nós preparamos um beabá do Scrum, conforme o que foi apresentado pela especialista. Confira:

Pilares

O Scrum é baseado em três pilares:

Transparência

A transparência entre os membros de um time Scrum é essencial para o framework funcionar. “É necessário ter uma comunicação clara e assertiva. É muito importante ter compartilhamento das informações, para que todo mundo participe do que está sendo feito”, explica Janaína. Para que essa comunicação seja eficiente e haja mais transparência entre o time, uma sugestão é usar um quadro, físico ou virtual, para anotar todas as atividades da sprint.

Inspeção

Para que o Scrum seja eficiente, é necessário fazer inspeções constantes dos trabalhos desenvolvidos pelo time e dos avanços feitos no projeto, como forma de assegurar se o time está avançando rumo ao objetivo final ou não.

Adaptação

Caso o time não esteja conseguindo progredir com o projeto como o planejado, é preciso se adaptar. “Por estarmos tratando de um ambiente complexo e situações complexas, é muito importante que o time tenha capacidade de se adaptar. Se foi percebido na inspeção que alguma coisa não está saindo como o esperado, então é preciso adaptar”, salienta a especialista.

Valores

Como Janaína explicou, o Scrum é guiado por cinco valores essenciais para que o time consiga trabalhar em harmonia:

  • Comprometimento com os seus objetivos, para fazer o que precisa ser feito e concluir o que precisa ser entregue
  • Coragem para fazer a coisa certa, mesmo em ambientes e situações difíceis
  • Foco para se manter no objetivo
  • Abertura, possibilidade de diálogo, transparência e capacidade de olhar de forma diferente para as possibilidades
  • Respeito para que o time consiga trabalhar bem

Time

Os times de Scrum são auto-organizáveis, autogerenciáveis e multidisciplinares. “Isso não quer dizer que uma pessoa precisa saber fazer de tudo dentro do Scrum, mas o time precisa ser completo, com profissionais com habilidades e competências que se complementam”, explica a especialista.

Dentro do framework, existem três profissionais necessários para que o time consiga fluir nesse modo de trabalho:

Product Owner

O PO é o responsável pelo produto que está sendo construído. Ele tem que ser o ponto focal dentro do time, responsável por manter um backlog desse produto e maximizar o valor do que está sendo entregue.

Scrum Master

O Scrum Master tem o papel de suportar o time e o PO para manter o backlog do produto vivo. É o responsável por garantir que os ritos sejam executados, treinar o time e apoiar todas as necessidades para que o produto seja entregue.

Time de desenvolvimento

É o time multidisciplinar que vai propriamente desenvolver o produto a ser entregue e trabalhar no potencialmente entregável, relatando todos os impedimentos e problemas que possam surgir no caminho.

Eventos

Os eventos do Scrum são responsáveis por dar o ritmo às produções e criar uma regularidade no time. O Scrum é organizado em sprints, que são espaços específicos de tempo para desenvolver cada etapa do projeto. As sprints são organizadas de acordo com um time-box, que tem uma duração determinada pela equipe, de no máximo um mês, para fazer entregas parciais do projeto até alcançar o resultado final.

Com os eventos, o time estabelece a rotina e consegue fazer a inspeção e alteração do que precisa ser resolvido nas próximas sprints. Entenda cada um dos eventos:

Sprint

“A sprint é o coração do Scrum”, pontua Janaina. Dentro da sprint, a equipe desenvolve o potencialmente entregável, ou seja, o incremento do produto trabalhado.

Planejamento da sprint

Para começar cada sprint, o time se reúne para discutir com o PO o que é necessário fazer dentro daquela rodada. Com essa reunião, cria-se o planejamento da sprint, que vai guiar o time durante aquele período.

Reunião diária

As reuniões diárias, de até 15 minutos, são necessárias para o time alinhar o que está sendo feito por cada um e quais são os impedimentos do projeto. Para essa reunião fluir rapidamente, Janaina sugere usar três perguntas: o que eu fiz ontem, o que eu vou fazer hoje e se eu tenho algum impedimento ou preciso de ajuda.

Revisão da sprint

Ao terminar a sprint, a revisão é o momento em que o time, junto ao PO, apresenta o que foi feito. “O time apresenta como andou em relação ao projeto, o que foi feito, qual era o planejamento e o que foi cumprido”, resume a especialista.

Retrospectiva da sprint

É feita também uma retrospectiva da sprint, para resgatar como foi a sprint, o que o time fez, como o time se sentiu, quais são as perspectivas dos integrantes, quais ferramentas foram utilizadas, quais processos funcionaram… Com base nessa retrospectiva, é feita a inspeção e adaptação para a próxima rodada.

Artefatos

Os artefatos do Scrum são as ferramentas de apoio para o time alcançar seus objetivos:

Backlog do produto

O backlog do produto é a lista de possibilidades para o produto que está sendo desenvolvido. O PO é o responsável por essa lista, que deve conter tudo que o time precisa fazer para o produto. Porém, essa lista deve ser viva, porque a estratégia e as necessidades podem mudar ao longo das sprints e é importante que o backlog do produto acompanhe essas mudanças.

Backlog da sprint

O backlog da sprint é a lista com tudo aquilo que o grupo vai fazer dentro de uma sprint, todas as atividades que foram selecionadas durante o planejamento para ser executado durante aquela sprint.

Incremento

O incremento é o resultado da sprint. “É a soma de tudo aquilo que o grupo completou durante a sprint e o que está sendo entregue agora. Esse artefato é chamado de incremento, porque não necessariamente é uma entrega efetiva para o usuário, pode ser que precise de mais de uma sprint para fazer a entrega de uma parte do produto. Cada incremento vai nos dizer se estamos mais próximos do nosso objetivo ou não”, explica Janaina.

Como conectar tudo isso?

Para ficar mais fácil de visualizar todos os detalhes do Scrum, Janaina apresentou um gráfico que sintetiza como cada um desses elementos se aplica na rotina de um time Scrum:

Image for post

Ufa! Conseguiu ter uma visão geral de como funciona o Scrum? Como os pilares já dizem, esse é um framework que precisa de muita adaptação. Para empresas que desejam implementar o Scrum em seu modo de trabalho, a recomendação é começar aos poucos, com um projeto, para o time ir desenvolvendo a maturidade que ele exige. Assim, com o passar das sprints o time consegue fluir melhor e se ajusta ao Scrum durante o percurso para garantir as entregas dos incrementos.

“A gente brinca que entender o Scrum é igual jogar poker: com 10 minutos você entende todas as regras, mas você demora bastante tempo para ficar bom nisso. O time vai precisar de treino, vai ter problemas, vai ter que ajustar. Por isso nós falamos que os pilares são transparência, inspeção e adaptação, porque vivemos nesse ciclo”, conclui Janaina.

E você? Se interessou pelo Scrum como uma metodologia capaz de solucionar problemas complexos e garantir entregas constantes do produto desenvolvido pela sua empresa? Quer saber mais sobre esse framework?

Esse conteúdo foi apresentado para as corporates que fazem parte do Órbi Conecta durante uma edição do Round Table Conecta.

Para não perder mais conteúdos como esse, acompanhe as redes sociais @orbiconecta (TwitterInstagramFacebook e LinkedIn) e confira dicas incríveis para a sua organização!

× Olá!